27 novembro 2017

Os Descendentes Cap:17.

Os Descendentes

Capítulo 17.



Amigo leitor! Deixe seu comentário, que é muito importante para a continuação das histórias.Obrigada!



 Na ilha Krástis Agares.
A visita por Lothlórien, o reino dos elfos acabou; resultou no julgamento de Alfirin Eruvalan, que inicialmente foi condenada à morte junto com seu filho, o elfo híbrido com vampiro. Alfirin foi julgada por Hakon, mas com a intervenção de Raquel, a favor da elfa, ele decidiu não a condenar a morte e, agora, ela ficaria presa em uma casa junto com seu filho, na ilha dos Astaroth, até que o príncipe Hakon, decidisse o que fazer com eles.


Arakiel, levou os elfos para a prisão da "Rocha", ficariam lá por enquanto, até arrumarem a casa onde iam morar.
Hakon, pediu para Raquel, que ficasse um pouco mais na ilha, mas aquele lugar não a agradava, ela queria se despedir e ir para seu apartamento.


- Já que não posso convence-la de ficar, vou acompanhar você até o seu apartamento.
- Não precisa, ouvi Jacques falar que você está cansado, e precisa do seu sono de vampiro... é só pedir para alguém me tele portar até lá... já que ainda não consigo fazer isso.
- Preciso mesmo descansar, no entanto, não estou esgotado, ainda falta muito para isso acontecer, posso levá-la. Quanto ao seu tele Porter, prometi que vou ensinar, entretanto, você mesma já fez isso, é só uma questão de concentração e motivação.
- Pois é, mas agora não consigo mais... foi só aquela vez.

Hakon percebe e sente a tristeza em Raquel.
- Sei como está se sentindo, o quanto é difícil para você sair do clã, não precisa sofrer assim, é o melhor a se fazer agora que estamos juntos.
- Eu sei... é que, eu vou ter que mentir para eles, e de certa forma, eles são parte do que eu sou, é como se fossem minha família.


- Agora eu sou a sua família, ninguém ama você mais do que eu, Raquel.
- Eu sei, amor. Eu também amo muito você.
- É muito bom ouvir você falar isso... eu nunca me senti assim, não pensei que fosse tão maravilhoso, amar. Quero que seja minha companheira, ou se case comigo, como manda a sua tradição.
- Vamos resolver nossos problemas primeiro, e depois pensaremos nisso.
- Como você preferir. Será minha de qualquer forma!
- Lá vem você com seu ego rsrsrs.
- Estou falando apenas a verdade.
- Tudo bem Hakon. Ninguém muda da noite para o dia, mas teremos que nos acostumar um com o outro, não é?
- Não tenho nenhuma reclamação a fazer sobre você. É perfeita dessa forma!


Os dois, entraram na mansão para cumprimentar os demais. Armin, ainda estava ocupando temporariamente o lugar de Hakon no trono.


- Sejam bem-vindos! Você faz muita falta irmão, e parabéns por você e Raquel, estou muito feliz em tê-la na família.


- Obrigada...
- Armin! O meu nome é Armin!
- Me desculpe.
- Tudo bem, Raquel, com um tempo você vai saber o nome de todos. Armin, você ocupou muito bem o meu lugar, irmão. Vou precisar que ocupe um pouco mais.
- Eu sei, você precisa descansar! Posso ficar mais uns dias, se é para o seu bem.
- Jacques protegerá Raquel, enquanto eu descanso na mãe terra...
- Eiii!! Eu já sou bem grandinha, sei me proteger! Não preciso de babá.


- Raquel já provou que sabe mesmo se virar sozinha, mas não é trabalho algum, ficar de olho e se você precisar, ajudar!

- Eles têm toda razão, Raquel, agora somos uma família, e na nossa família, um protege o outro.


Todos estavam felizes com a aproximação dos descendentes: Raquel e Hakon, agora as esperanças da proliferação da raça, estava acesa mais do que nunca, e Hakon, estava visivelmente feliz, tinha saído do seu mundo cinza.


- Tudo bem, agora vai descansar. Jacques ou Armin, vão me levar e depois a gente se ver?!
- Claro que sim, não precisarei ficar muito tempo, logo estaremos juntos de novo, e jantaremos, como você queria fazer hoje.
- Não tem problema, eu como nas barraquinhas em frente ao meu apartamento rsrs.


Os dois se despediram, Raquel vestiu uma roupa de Renata e, pediu para que Armin, a deixasse um quarteirão longe de seu apartamento, em um lugar mais escondido, um beco perto de lá.


"Estou morrendo de fome, e as barracas já estão fechando, mas ainda tem uma aberta!".


"Mas que droga é essa? Higor me esperando aqui?!".


"Mas que saco! Ele não me deixa em paz mesmo".


- Higor, o que faz aqui?
- Não é óbvio?! Vim falar com você!
- Estou de licença, pedi autorização...
- Eu sei! Meu pai quer falar com você. Aconteceu um assassinato no nosso clã!


- Assassinato?! Como assim...?
- Mataram um dos nossos, e o pior é que, foi dentro de uma das nossas sedes. Estão desconfiando de um demônio, possuindo o corpo dos caçadores causando discórdia e destruição. Precisamos de você!
- Acabei de chegar, estou cansada... eu sei que é um assunto grave, mas posso ir lá amanhã?

- Raquel, eu acabei de falar que um dos nossos morreu... nosso pessoal está morrendo, e olha só como você reage?! O que está acontecendo com você?
- Só estou cansada...
- Onde você estava? Não se cansa tão fácil!
- Tudo bem Higor, eu vou com você.


Raquel foi para a base do clã Raziel, junto com Higor, o clima dentro do carro era tenso, ela logo percebeu que algo estranho estava acontecendo mesmo, tinham carros estacionados que não era dos membros da equipe daquela base.


 - Temos visitas?!


- Sim, temos! Estão investigando todos nós! Vamos entrar e acabar logo com isso.


- Isso o quê?
- Suspeitam que um de nós, está servindo de hospedeiro do espirito.
- E já investigaram todos? Só falta eu?
- E eu.


- Então vamos! Quero voltar logo para o meu apartamento.
- E eu para minha casa, hoje não é minha ronda noturna.
- Quem está aí?
- Uma feiticeira da clave. Estava olhando os arquivos, com as rotinas diárias do que fazemos.



 "Ele está me escondendo alguma coisa".


 Ao entrar, Raquel se deparou com todos esperando por eles, porém, a feiticeira não estava entre eles.


- Vejo todos, menos a tal feiticeira da clave. Onde ela está?
- Deve estar no escritório ainda.
- Vão me contar logo o que está acontecendo?!

 Algor, o alfa daquela base, se manifestou e falou:
- Raquel Camargo, descobrimos que você escondeu o corpo de uma jovem que estava em transição para vampiro. Apagou a mente de Ana Clara, sua companheira que estava sob seus comandos e suas responsabilidades. Estamos passando por uma crise, uma fase difícil, e tal comportamento como esse, é repugnante e imperdoável! Além de ser considerado traição, que deve ser punido com a morte, não passará impune! Você será levada para ser analisada, considerando o seu histórico excelente de trabalho, você talvez, será absorvida se, realmente tiver possuída por esse espirito maligno.


- Que palhaçada é essa? Vocês estão ficando loucos! Eu não estou possuída por nenhum espirito maligno!
- Raquel, acalme-se! Vai ser melhor para você se cooperar!
- Ah é?! Quantos de vocês vão ser preciso para me obrigar, caso eu não coopere?


- Não queremos machucá-la, Raquel, você é como se fosse uma filha para mim. Por favor, apenas acompanhe Byron e Mazir, até o laboratório! - Algor tentou convencer Raquel.
- Se você disse que não está possuída, então confessou que manipulou a mente de Ana Clara, e escondeu o corpo da garota que agora, já deve ter se transformado. Onde ela está? - Byron acusou Raquel.
- Como você fez isso? Como conseguiu apagar as memórias de Ana Clara? - Algor estava curioso.


- Ela não fez isso sozinha, teve ajuda de alguém! Me lembro de ter sentido uma presença maligna, escura e poderosa... - Ana Clara fala, recordando o que aconteceu, Valentina, com a ajuda de Mazir a feiticeira da clave, restaurou uma parte das memórias dela.
- Então ela teve ajuda de um vampiro, e deve ter sido um antigo! - Valentina deduz.


- Vocês não têm provas definidas que eu fiz isso!
- Então você nega?
- Eu não apaguei as memórias dela!
- Como você pode fazer isso comigo Raquel? Mentir dessa forma, eu sempre apoiei você, acreditei em você, amei e protegi você!


- Você é um egoísta possessivo! Eu já sei de tudo Higor! Você só quer se tornar o pai do filho perfeito, o filho de Tessa Grahan! Me usaram o tempo todo, desde que eu nasci fui uma experiência para vocês! Eu não faço mais parte desse clã, desse credo!


- Raquel, não... isso não é verdade, eu amo você, independente de quem seja.
- Para com essa palhaçada! Não precisa mais representar!


- Estou fora! Arrumem outra experiência!
- Você não pode simplesmente sair! As coisas não funcionam assim.
Quando Raquel pensa em sair, a feiticeira Mazir, aparece de repente e, os poderes dela era tão grande que, Raquel não conseguiu sentir a presença dela.


Mazir conjurou um feitiço de paralisação, e estava falando palavras incompreensíveis e inaudíveis ao ouvido humano.


 Raquel, imediatamente paralisou e não pode nem sequer, tentar pedir socorro aos Astaroth.


 - Valentina me ajude, Raquel é poderosa demais! Não consigo manter o bloqueio e paralisa-la ao mesmo tempo.
A feiticeira Mazir, pediu ajuda a Valentina, a base estava protegida com um escudo de bloqueio à magia, assim Raquel não poderia pedir ajuda a quem quer que fosse.


Valentina começou a conjurar um feitiço, fortalecendo a paralisação e juntas as duas, conseguiram deixar Raquel inconsciente.


- Pare! Vocês estão machucando ela! - Higor, apesar de se sentir traído, não queria ver Raquel machucada, ele estava realmente preocupado.


- Já estamos terminando! Logo ela vai descansar.
- Eu não quero que Raquel sofra! Ela deve estar sob influência do espirito maligno.
- Sim, ela está. - Mazir, já sabia da verdade, do que realmente ia acontecer com Raquel, e também sabia que ela não estava possuída pelo espirito.


Um dia antes.
Aurius Astaroth, tio de Hakon, Jacques e Armin, estava na caverna maternidade da família Ventrue, ele e a mãe de Lillith, Nergal Ventrue, estavam juntos, estavam planejando algo perigoso e grande, contra o que eles chamavam: a tirania dos irmãos Astaroth.


 Estavam acelerando a gestação de Lilith, ela carregava no ventre, um filho do príncipe Hakon. Desde que Lilith nasceu, estava planejado para que ela tentasse engravidar de Hakon. Aurius sempre quis tomar o lugar do irmão, Hades, que teve um filho reencarnado do Astaroth Typhon. Porém Hakon, não tinha a maldade escura do verdadeiro demônio, ele não estava cumprindo com o que o seu avô deixou, Hakon queria a paz entre as espécies, e os irmãos também, eles estavam remodelando as leis, e uma delas em especial, não agradava nada o ancião Astaroth: a de não poder matar e escravizar livremente os humanos.


 O companheiro de Nergal Ventrue, o pai de lilith, não estava totalmente de acordo com o plano, no entanto, quem dava a última palavra era sua esposa, porque ela sim, tinha o sangue nobre e puro.
- Eu não sei se o que estamos fazendo é o certo, mas pelo menos agora temos um herdeiro do príncipe, e teremos que tomar providências antes que a prometida faça a ligação.
- Se Hakon tiver um filho com aquela encarnação de Tessa, estaremos perdidos! Esse plano vai ter que dar certo. - Aurius estava correndo contra o tempo.


- Mas você não acha que isso pode matar a minha filha? Esse processo de acelerar a gravidez dela, está drenando todas as suas forças.
- Ela é uma mulher jovem, e vai sobreviver!

 Lilith, estava há dias sem se alimentar e em coma induzido por magia negra. A feiticeira milenar, Supay, tinha vindo de uma outra dimensão, ela não morava na dimensão do planeta terra, e também não gostava do mundo dos humanos. Supay vivia em um mundo subterrâneo, onde tirava todo o seu poder e existia outros como ela, porém Supay, era uma anciã poderosa, por isso foi chamada e paga é claro, por Aurius, não com dinheiro, mas com coisas que a interessava.


"Sei que essa criança vai nos ajudar a começar uma nova era, o domínio de Hades, acabará! Hakon não vai continuar o legado do pai!", Aurius estava mesmo decidido a acabar com o domínio do irmão e dos filhos, ele queria tomar o poder de comandar e decidir sobre o planeta Terra.


- Quanto tempo ainda falta para a criança nascer? Estou mesmo preocupada com a minha filha.
- Não falta muito, mais cinco dias. Breve essa criança estará entre nós!


 Mais tarde na mansão de Aurius.
- Não podemos fazer nada? Eu não posso viver sem Kalil!


- Não! O príncipe Hakon, é a hierarquia suprema da nossa raça, contrariá-lo é suicídio, não ariscaremos nem a vida dos nossos cães por esse... por Kalil, o servo!


- Eu jamais colocaria a vida de um de vocês em risco. Já falei que me entregarei, esperarei pela minha sentença. Aqui mesmo!
"Eu não posso deixar o meu único amor morrer! Tenho que fazer alguma coisa", Yarin não se conformava com o destino de Kalil.


 Os dois pediram licença e saíram para a cripta da família, que ficava no subterrâneo.


- Você não precisava ser tão duro com a sua irmã!
- Eu não falei nada a ela, e só disse a verdade para Kalil. Consequências de uma péssima escolha, da parte da minha irmã!
- Eu também não aprovei, entretanto você sabe que não podemos escolher por quem sentimos a empatia. Sua irmã está perto de fazer a ligação.


- Isso é ridículo e humilhante! Espero mesmo que o príncipe Hakon, acabe logo com isso!
- Como você pode pensar assim Noah? Você tem que ficar do lado da sua família, apoiando-nos, seja fiel à sua família e principalmente ao seu pai.

- Sou fiel a minha raça, e assim, ao meu príncipe: Hakon Astaroth, como a minha mãe me ensinou... a mesma que você deixou morrer na caverna maternidade.
Noah nunca perdoou o pai pela morte da mãe, ela morreu dando à luz a Yarin, na caverna maternidade da família. A mãe de Noah, tinha uma chance de sobreviver caso a criança que estava esperando fosse abortada, mas Aurius, escolheu a filha.


- Você nunca vai me perdoar? Brígida escolheu a filha, eu não poderia contrariá-la!
- Você poderia sim! Mas a morte dela era conveniente para você.
- Você não sabe nada sobre mim e sua mãe.
- Não mesmo! Não tive tempo para descobrir.


- Vamos arrumar uma solução, você não pode morrer!
- Não tem uma solução!


- Tem que ter! Você não sabe o que estou sentindo, em saber que vou ficar sozinha?!


- Você não vai ficar sozinha, tem a sua família de sangue nobre... arrumará um companheiro à sua altura. Eu nunca fui bom para você, Yarin.


- Não fala isso por favor! Eu amo você, e nós não nos apaixonamos duas vezes. Vamos fugir juntos!


- Minha linda Yarin, não podemos fugir... eu jamais colocaria sua vida em risco, se fugirmos, logo seremos capturados e você pagará pelos meus erros. Não posso fazer isso com você.
- Mas isso foi há tanto tempo... aquela elfa miserável! Deveria ter matado ela!
- Não foi culpa dela, eu não deveria ter feito o que fiz... teve um filho meu e, agora, nós três morreremos.
- Você está com pena dela? ... então ainda gosta dela!


- Meu amor, eu só amo você! Só estou arrependido, mas isso não adianta nada. Vamos aproveitar o tempo que nos resta juntos.
- Kalil...


Kalil já tinha aceitado a sua sentença de morte, iria esperar pelo príncipe Hakon, e seus executores: Jacques e Arakiel.


 Entretanto, Yarin não estava pronta para ficar sem o seu companheiro, ela estava tramando algo.


 "Eu não vou deixar você morrer, não por causa de uma elfa do campo, deveria ter morrido aquela insignificante!".



Depois de terem conversado, já era hora de descansar. Kalil dormia na mesma cripta que Yarin, ele era o guardião dela, acima do caixão de Yarin, a foto da mãe.


  "Meu irmão nunca vai me perdoar por meu pai ter escolhido eu, em vez da nossa mãe... e me pune com esse quadro acima do meu lugar de descanso".






Continua...

6 comentários:

  1. Oi Paty!
    Amei o capítulo! É tão bom rever todos os personagens.
    Gostaria que a feiticeira percebesse que quem fica com má influência é Ana Clara. Capaz do espírito mal ter se mandado antes desta reunião.
    Pq os Astaroth não tiram cochilos em horas normais? Agora Raquel tá ferrada e nem tem como pedir ajuda. :(
    Karin tá arrependido? Isso é bom! Pena que Yarin pretenda fazer algo de que possa se arrepender.
    Entendo a dor do irmão dela.
    Eu sempre desconfiei de Lilith. Como será que ela, Aurius&Cia pretendem colocar em ação o plano perverso? Que medo!

    Amei ler, Paty! Já quero o próximo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andrea! Que bom que você gostou.
      Pois é, os irmãos sempre unidos.
      Lilith é manipulada pela mãe, como você mesma disse outra vez, eles estão tentando tirar o trono de Hakon, mas ver se conseguem né?
      Raquel está em apuros mesmo, só esperando pra ver!
      Obrigada Andrea!

      Excluir
  2. Amei amei amei esse capítulo! Tomara que Hakon descubra logo o que eles estão tramando e que ele e Raquel saiam dessa com vida, não aguentaria ver uma tragédia com meu otp favorito hahaha ❤❤ amei o capítulo Patrícia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Samara.
      Espero mesmo que ele vá logo em socorro de Raquel.

      Excluir
  3. 1- Ta certo isso produção? A garota não teve chance de escolha e é so uma peça no jogo de xadrez dos pais?

    2- Tou torcendo pra Hakon aparecer e dar um sacode nesses caçadores tudo

    3- Essa é a primeira história feita com The sims que me faz ficar do lado dos "vilões"

    4- Deu pra notar que Raquel ñ tem mais aquele preconceito terrível com os vampiros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Tatsu!
      Pois é, Lilith é só mais uma peça mesmo, e Aurius é o grande manipulador.
      Já pensou quando ele souber do que está acontecendo com Raquel?
      Raquel agora percebeu que, o bem e o mal, são relativos, dependo do ponto de vista de cada um.

      Excluir